Artigo 341 – As competências da próxima década – parte XI

“Aprender a aprender – a única competência técnica importante na próxima década”

 Ufa! Chegamos à décima competência destacada na pesquisa do Fórum Econômico Mundial, fechando a lista das 10 mais valorizadas na próxima década. Confesso que essa pesquisa me deixou muito feliz e compartilhar a minha visão nesta série, mas ainda. A razão é simples: desde 2006, quando comecei meus estudos sobre o tema, não demorou para cair uma ficha na minha cabeça, e ela se resume numa frase que tenho usado desde então: “Tenho dúvidas se uma carreira decola mais rápido devido a competências técnicas ou a competências comportamentais”. Os meus alunos e ex-alunos sabem o quanto bati nessa tecla, inclusive com exemplos práticos de profissionais que conheci ao longo da minha carreia e que eram altamente capacitados tecnicamente, mas que, por falta de competências comportamentais e de gestão, não viam suas carreiras decolarem. Em fóruns onde havia muita gente da academia, também já “apanhei” muito e ouvi muitas críticas por causa dessa minha convicção. Certa vez, um professor me criticou publicamente em uma palestra; “Não estou acreditando que você, um professor, está dizendo que atitudes são mais importantes do que conhecimento”, disse ele. Ouvi a crítica com respeito, mas segui com a minha convicção.

Pois bem, 11 anos depois o mundo dá o seu recado em alto e bom tom. Das 10 competências que tratei nesta série, só uma é técnica, e exatamente a última. E como é o nome dela? “Flexibilidade cognitiva”. Olhe que interessante! A única competência técnica listada por uma das maiores pesquisas sobre competências do mundo chama-se “Flexibilidade cognitiva”- Sabe o que significa isso? Em outras palavras, significa ter capacidade de aprender o que tiver que aprender na hora que tiver que aprender. Isso mesmo! Como o mundo em vivemos e o futuro nos traz contínuas transformações, o que é verdade hoje pode não ser amanhã, concorda? Portanto, como também já escrevi aqui neste espaço, o conhecimento tem prazo de validade e nós temos que que entender que o profissional do futuro deve ser capaz de se renovar, aprender coisas novas e, se necessário, jogar no lixo tudo o que sabe. Isso chama-se “flexibilidade cognitiva” na minha visão.

Para muitos, entretanto, isso é um filme de terror. Para outros, que assim como eu, amam estudar e aprender coisas novas, é o mais belo romance que já foi escrito. Aprender coisas novas é fantástico, nos renova, rejuvenesce, estimula e, por fim, nos mantém vivos. E isso é maravilhoso!

E você? Como vai se posicionar em relação a essa verdade? O que aprendeu de novo nos últimos meses e anos? O que teve a coragem de jogar fora em termos de conhecimento para abrir espaço na sua mente para o novo? Você tem flexibilidade cognitiva? Está pronto para aprender o que tiver que aprender na hora que tiver que aprender? Se sim, seja muito bem-vindo ao século XXI e prepare-se para colher grandes frutos na sua carreira. Se não, pense com carinho e mude! Por que somente que tiver essa competência sobreviverá e crescerá na próxima década. Até o próximo!