Artigo 157 – Taça de cristal

“Cuide bem da sua taça de cristal”
por Marcelo Veras | 07 de abr de 2014

 

 O tema não é novo. Tenho tratado dele, mesmo que indiretamente, em vários momentos aqui neste espaço. Falei dele quando tratei de Etiqueta empresarial, Gestão de pessoas, Liderança de equipes, entre outros. Na verdade, ele é pano de fundo para quase tudo relacionado à gestão de carreiras. Mas hoje resolvi dedicar uma reflexão inteira sobre um assunto que andou me rodeando nas últimas semanas. Refiro-me aos fenômenos da construção e da destruição. 

 Destruir é muito fácil. Construir, muito difícil. Para construir são necessários dias, meses ou até anos. Para destruir bastam segundos. Para construir, precisamos de “ferramentas”, energia, tempo, dedicação, paciência e comprometimento. Para destruir, às vezes uma palavra ou um gesto bastam.

 Com um fósforo em um pouco de álcool, destruo em segundos um quadro de Leonardo da Vinci. Com alguns Kg de dinamite, faço virar pó em segundos um prédio de dezenas de andares. Com um chute, transformo em cacos uma peça de cristal. Com um balde de água, destruo um belo castelo de areia edificado na praia por um artista durante horas. No campo das relações pessoais e profissionais, da imagem pessoal e profissional, a regra é rigorosamente a mesma. Levamos anos para construir amizades, relações profissionais sólidas e para termos um reconhecimento por uma ou mais competências. Mas, assim como nos exemplos citados acima, em segundos tudo isso pode virar pó, dependendo de como gerenciamentos estes ativos construídos ao longo do tempo.

 Nesta semana tenho pensado muito neste tema. Em uma conversa recente com um amigo, discutíamos o caso de uma empresa que, ao longo muitos anos construiu uma imagem no mercado fantástica e uma reputação inquestionável, às custas de muito trabalho, muita dedicação e muito foco por parte de uma equipe competente e comprometida. Mas que, por razões que nem vêm ao caso, iniciou um processo de destruição de todo este ativo a tal ponto que chega a assustar. O foco principal da minha conversa se resumia em uma frase: Nossa, como levou tempo para construir e como a destruição está sendo rápida

 Casos como este não são raros, nem também somente no âmbito empresarial. Diariamente pessoas, às vezes desavisadamente, transformam em pó um ativo que possuem e que levaram anos para construir, seja uma relação pessoal, profissional ou uma imagem própria de alto valor. Creio que isso acontece por duas razões: Primeiro porque nem todas as pessoas têm a noção de que algumas coisas são irreversíveis. Como disse Millôr Fernandes, “Viver é desenhar sem borracha”. Ou seja, fez está feito. Falou está falado. Não tem volta. Segundo, na minha humilde visão, esta consciência de que não se deve brincar com coisas que levaram anos para serem construídas, também não foi muito democratizada. E como se algumas pessoas adorassem fazer malabarismo com taças de cristais, achando que não vão cair nunca. E, em um belo dia, uma cai.

 Esta é a minha síntese. Sei que estou chovendo no molhado, mas quero mais uma vez recomendar que você preste mais atenção nas suas taças de cristal e cuide bem delas. Uma boa imagem demora anos para ser construída e segundos para virar pó. Não corra esse risco. Tenha sempre muita atenção e concentração ao lidar com questões que possam arranhar a sua imagem pessoal e profissional, pois este é o seu maior ativo. Esse é o único caminho – concentração. Porque depois que a destruição começa, não tem mais volta. Taça de cristal quebrada não tem solução. Cuide bem da sua. Até o próximo!

por Marcelo Veras
compartilhar