Artigo 206 – Quando a imagem é destruída na empresa

“A responsabilidade pela sua imagem na empresa é sua”
por Marcelo Veras | 23 de mar de 2015

  

 Anos atrás, passei por uma situação delicada e bastante incômoda. Uma pessoa da minha equipe começou a ser alvo de comentários sobre uma determinada postura inadequada, a qual nem vem ao caso aqui citar. O fato é que, quase mensalmente, corriam boatos de que ele estava fazendo algo que estava fora das nossas regras de conduta. Logo no início, tivemos uma conversa e ele negou tudo. Como não havia nenhum fato concreto, confiei e seguimos em frente. Apenas o alertei para que redobrasse a atenção com seus comportamentos e comentários. Disse claramente que, embora ele afirmasse que não estava fazendo nada de errado, alguma atitude sua deveria estar alimentando os boatos e construindo esta má impressão. Ou seja, confiei e alertei.

 Os meses foram se passando e as histórias não davam trégua. Um dia, depois de receber a mesma informação de diversas fontes diferentes, e todas pintadas com as infelizes cores da credibilidade, tomei uma decisão. Chamei-o para uma conversa e perguntei mais uma vez se ele estava pisando fora da linha. Mais uma vez ele negou. Quando eu disse que esta segunda conversa estava acontecendo porque a sua imagem continuava sendo associada a desvios de conduta e que as pessoas não paravam de falar que a sua postura não era adequada, ele me disse: - O que as pessoas pensam e dizem não me interessa. Aí a conversa mudou de tom e tive que responder o seguinte: - “Olha, se o que as pessoas pensam sobre você não lhe interessa, quero dizer que deveria interessar. Estamos em uma empresa de serviços, onde a confiança é um dos fatores mais importantes na construção de relações sólidas, tanto com clientes como com colegas de trabalho. Ter alguém nesta empresa que, por atos concretos ou falta de zelo pelas suas palavras, é associada a coisas erradas, interessa a mim como líder. E muito. Portanto, trate de cuidar da sua imagem, pois esta responsabilidade é sua, não minha. A responsabilidade de descobrir por que as pessoas estão falando isso de você e corrigir (imediatamente) esta percepção, é sua e não minha. Portanto, na próxima vez que alguma informação dessa natureza chegar ao meu conhecimento, você está fora”. Em menos de um mês, ele estava sendo demitido, obviamente porque as evidências não paravam de aparecer.

 Já perdi a conta de quantas vezes tratei deste tema aqui neste espaço. A nossa imagem é um dos ativos mais valiosos que temos. Demora anos para se construir e minutos para virar pó. Esse papo de que “o que pensam de mim não importa” é equivocado e suicida. Defendo sempre que somos o que conseguimos demonstrar, ou seja, a imagem que conseguimos projetar na cabeça de quem convive conosco. No ambiente de trabalho, então, isso vale muito. Quem tem uma postura séria e profissional será sempre reconhecido como tal.  Quem brinca demais, fofoca demais ou escorrega nas palavras leva os outros a cogitarem especulações perigosas a seu respeito e, quase sempre, a conta acabará que tendo que pagar pelos predicados que ele mesmo impulsiona será demasiado alta. Não existe esse papo de não se preocupar com o que pensam. Tem que se preocupar sim.  Repito, a responsabilidade pela nossa reputação é nossa e ponto final.

 No caso citado, a imagem associada a coisas erradas era péssima para o clima de trabalho, para a relação entre as pessoas e até mesmo para as relações com clientes e parceiros. Ou seja, a empresa ou o departamento que tolera esse tipo de situação, acaba com a sua imagem também associada. Em outras palavras, quem permite que este espectro, este fantasma, este espírito maligno frequente o ambiente de trabalho, parece que concorda com ele.

 Portanto, hoje a minha dica é esta: Cuide da sua imagem. Tenha uma postura profissional, siga as regras de conduta do seu ambiente profissional e se pergunte todo santo dia: Que imagem estou passando para meus pares, superiores e subordinados através das minhas ações, palavras e atitudes? Se você ficar atento e for coerente, nunca, mas nunca mesmo, o seu nome será associado a atitudes que possam denegrir este seu ativo chamado imagem. Até o próximo!

por Marcelo Veras
compartilhar