Artigo 237 – Omelete

Não se faz omelete sem quebrar ovos
por Marcelo Veras | 09 de nov de 2015
Artigo 237 – Omelete

237

Alguns dias atrás eu estava dando uma entrevista que tinha como tema um dos assuntos do momento: Mudança de emprego e carreiras em tempos de crise. Lá pelas tantas, a conversa abordou a palavra “risco”, uma das mais emblemáticas para os dias atuais. Nesse momento, eu dizia que o risco é um dos ingredientes da mudança, e que não adianta querer mudar isso. O que dá para fazer é tentar minimizá-lo, se informando bem sobre o novo emprego, a nova empresa ou o novo setor. Mas, até o melhor planejamento não consegue eliminar o risco de não dar certo. E a razão disso é que nunca conseguimos prever o que pode acontecer com as variáveis que não controlamos.

Essa reflexão vem em um momento duplamente interessante. Primeiro porque estamos no meio de uma crise econômica e ninguém, absolutamente ninguém, pode garantir quando ela acabará e como será o ano de 2016. Segundo porque fim de ano é sempre fim de ano. As emoções se afloram, os balanços começam a ser feitos e o ano que vem começa a ocupar um espaço na nossa cabeça, principalmente no que se refere aos nossos desejos e objetivos pessoais, financeiros e profissionais. Já começo a ouvir pessoas dizendo que a cabeça já está em 2016.

Nessa mesma entrevista, discutia com a Hebe Rios, jornalista da EPTV (Globo Campinas), sobre algumas pessoas que até querem mudar, reconhecem que não estão felizes onde estão, mas que na hora “H” preferem não arriscar. Algumas manifestam claramente o desejo de mudança, mas só se for com garantias plenas de que vai dar certo. Quando vejo esse tipo de postura, costumo dizer: “Você está querendo fazer um omelete sem quebrar os ovos!”. Não dá. Não dá mesmo. Poderia citar aqui inúmeros ditados populares que falam sobre escolhas, renúncias e implicações. No fundo, a vida é uma grande sequência de encruzilhadas, onde, a todo momento, temos que fazer escolhas, renúncias e correr riscos.

Mas sigo batendo na tecla de que não existe melhor momento para se tomar decisões. Não é porque estamos vivendo um momento difícil que temos que nos paralisar. Aliás, como já disse inúmeras vezes, nas crises há muitas oportunidades de mudança para melhor. Porém, somente aqueles que ousam não se acomodar, que mantém um olhar para fora da sua rotina e do seu meio , que nutrem a sua rede de relacionamentos, conseguem enxergar e aproveitar as melhores oportunidades.

As decisões implicam em escolhas e, por sua vez, em renúncias. Muitas vezes no nosso trabalho vivemos o dilema de uma escolha e a sua respectiva renúncia. Ao promover um profissional de uma equipe, tomamos a decisão de não promover seus pares. Ao alocar recursos para um projeto, abrimos mão de outro. Ao abortar um projeto, abrimos mão de ver o seu resultado. Enfim e mais uma vez, “a cada escolha, uma renúncia”. O certo? Ah, isso só o tempo responde. Ele, no final das contas, é o melhor juiz e que vai fazer o balanço das nossas decisões.

O que não podemos, nunca, é cometer dois erros. Primeiro, o de não decidir. A indecisão também é uma decisão, e a pior de todas. O segundo erro é querer se esquivar das renúncias. Querer agradar a todos, não correr riscos, não abrir mão de uma coisa para ter outra e por aí vai. Se tivermos essa consciência, não nos acomodarmos em nenhum momento, muito menos em momentos difíceis, e tivermos objetivos claros e continuamente ratificados, seguimos em frente.

Já que o fim do ano está chegando, aproveite para pensar um pouco nas suas atitudes em relação ao seu processo de tomada de decisões. Quantas decisões você deixou de tomar? Por quê? Quais riscos você realmente deixou de correr? Como acha que teria sido melhor se tivesse levado adiante alguma decisão? Será que você não tem perdido oportunidades porque está sempre querendo fazer um omelete sem quebrar alguns ovos?

Essas são boas questões para discutir com pessoas da sua confiança nessa época do ano, ainda mais se em cima da mesa tiver uma boa garrafa de vinho ou da sua bebida preferida. Até o próximo!

por Marcelo Veras
compartilhar