Artigo 387 – Ditados e sua carreira – Escassez

“Quem não tem cão caça com gato”

 

Você já ouviu falar na Roda da Fortuna? A Roda da Fortuna é um mito medieval, mas também é uma metáfora. Dizem que deusas ou entidades fiavam, teciam e cortavam o fio da vida, definindo nascimento, crescimento, desenvolvimento e morte. Ela fala das mudanças do destino. “O que sobe acaba descendo e o que desce acaba subindo”. Em outras palavras, todos nós temos momentos bons e ruins. Ora estamos sendo “esmagados” pela roda da fortuna e ora estamos no topo dela, brilhando.  Só quem for muito jovem não coleciona momentos, seja na carreira ou na vida, bons e ruins. No fundo, a vida é uma roda da fortuna, com ciclos de altos e baixos.

Pois bem, hoje, na série “ditados e sua carreia”, quero dar palco para um ditado popular muito famoso e que é usado com muita frequência, principalmente em momentos de escassez – “Quem não tem cão caça com gato”. A provocação é muito simples e inteligente. Se você não tiver com os recursos ideais para fazer algo, faça com o que tem. Em tempos difíceis, às vezes temos que tirar leite de pedra.

O Brasil entrou numa crise gigante há cerca de 4 anos e ainda não saiu dela. O mundo do trabalho sofreu muito. O desemprego bateu a porta de quase todos. As empresas demitiram, enxugaram e cortaram na pele (às vezes no osso). Isso significa que, para aqueles que não foram demitidos, a pressão aumentou, o volume de trabalho aumentou e os recursos diminuíram. Temos que fazer o trabalho que antes era feito por dois ou três. Ou seja, vivemos tempos de escassez, onde os recursos são escassos e os desafios não.

Recentemente, em uma aula no Pós MBA da Inova Business School, o professor Ricardo, que é diretor executivo de uma grande empresa de recrutamento, compartilhou um dado muito interessante sobre o momento atual do recrutamento. Em tempo de vacas gordas, 80% das contratações ocorrem por expansão dos negócios e 20% por substituição. No momento atual e desde que a crise pegou pra valer, é o contrário. 80% das contratações se dá por substituição de alguém que está no posto. E ele, profundo conhecedor do tema, listou os principais motivos para tanta substituição de executivos. Um deles tem muito a ver com esse ditado de hoje. Usando as suas palavras, “Bons resultados escondem baixa eficiência. Com o vento a favor, quase todos conseguem bons resultados. Já em tempos de crise, separamos os homens dos meninos”. Em outras palavras, nos momentos de crise, há muitos profissionais que não conseguem caçar com gato.

Pois bem, o fato é que a roda da fortuna segue a sua jornada, ora nos dando cão para caçar, ora nos entregando um gatinho manhoso. A nós, cabe entender que este fenômeno é tão cíclico como as estações do ano e encarar o desafio, com motivação e faca no dente, de tentar produzir resultados sem recursos suficientes. Para alguns, uma tortura medieval. Para outros, uma oportunidade ímpar de mostrar que compreendem que a vida não nos dá, em todos os momentos, as condições ideais para que possamos fazer um grande trabalho, mas que os momentos de escassez nos impulsionam e nos fortalecem. Só quem já passou por uma crise sabe o que significa tirar leite de pedra. Mas você pode ter certeza de que todos os que tiveram grande sucesso em suas carreiras tiveram que caçar com gatos alguma vez na vida. Até o próximo!