Artigo 406 – O Futuro do Trabalho – parte VI

“Você já pensou em estudar um pouco de programação”?

 

Quem estudou engenharia, como eu, flertou com a programação de computador. No meu caso, ainda no final da década de 1980, as linguagens eram Fortran 77, Pascal, C e Basic (nem sei se existem mais). Foram apenas duas disciplinas, mas que me abriram a cabeça de forma irreversível. Pensar em um problema, elaborar uma rotina de solução, um algoritmo e escrever em linguagem de computador. Botar para rodar, corrigir erros (às vezes quase impossíveis de descobrir) e chegar à versão final do software. Já quem cursou tecnologia da informação, análise de sistemas ou similares, este era o prato diário – programar.

Pois bem, desde junho de 2007, quando a Apple, que diga-se de passagem, nem era fabricante de celular, lançou o primeiro smartphone, o iphone 3, o mundo mudou radicalmente. Hoje praticamente tudo o que queremos está na nossa mão, em um aplicativo. Pesquisa recente mostrou que temos, em média, 80 aplicativos no nosso celular e usamos regularmente 40. Este é o mundo conectado de hoje e do futuro. Com o nosso celular hoje compramos, estudamos, nos comunicamos, nos localizamos, fazemos pagamentos, reclamações, elogiamos empresas e marcas, enviamos a nossa mensagem para o mundo, pagamos contas e muitas outras coisas.

Mas para que isso fosse possível, a competência de programação, a qual, hoje, em linguagens que nem me atrevo a tentar listar, foi uma das que mais se desenvolveu. E como os produtos oriundos deste território são geralmente globais (facebook, airbnb, rappi, netflix, etc) e podem gerar bilhões em negócios, quem sabe programar ganhou um valor e uma relevância nunca antes vista. Saber programar hoje é quase uma garantia de pleno emprego e ótimo salário.

Portanto, segundo o relatório “The Future of Jobs Report” (O relatório Futuro do Trabalho), a quarta competência que mais será valorizada em 2022 será Design tecnológico e programação. Já há escolas pelo mundo incluindo, desde a Educação básica, aulas de programação, robótica, etc. É o mundo da Educação se adequando ao mundo do trabalho, que é e será cada vez mais tecnológico.

Bom, se você fez alguma faculdade na área de humanas ou biológicas, e não teve a oportunidade nem sequer de conhecer um pouco deste mundo, não se desespere. Primeiro, a programação em si não é tão importante para você e provavelmente você nunca irá escrever um código de computador ou aplicativo. O importante, e isso sim você deveria buscar conhecer um pouco, é a lógica por trás da programação, ou seja, como eu pego um problema e faço uma rota de solução lógica para solucioná-lo? Isso sim é importante e foi o que ficou para mim. Lembro-me bem que, depois de ter cursados essas duas disciplinas na faculdade, a minha mente mudou e os problemas ficaram mais simples quando passei a pensar de forma lógica e algorítmica. Hoje, não sei mais escrever uma linha de software, mas o pensamento estruturado ficou e nunca mais foi embora.

Quer vivenciar um pouco disso? Vá em busca de mais informações e, se possível, faça um curso básico de programação. A sua carreira vai agradecer muito. Pode ter certeza. Até o próximo!